Home Notícias Melhores golfistas de São Paulo disputam o Paulista Match Play Scratch

Melhores golfistas de São Paulo disputam o Paulista Match Play Scratch

por redação
Melhores golfistas de São Paulo disputam o Paulista Match Play Scratch

Dez anos depois de sua última edição, em 2012, o Campeonato Paulista de Match Play Scratch Masculino e Feminino – Taça Ricardo Rossi volta ao calendário paulista, neste final de semana, 19 e 20 de fevereiro, no Sapezal Golfe Clube, em Indaiatuba (SP). A competição organizada pela Federação Paulista de Golfe vai reunir cinco dos Top 10 do ranking masculino e três das Top 6 do ranking feminino da FPGolfe.

A categoria masculina, com seis participantes, terá quatro rodadas, duas por dia, para que todos possam jogar contra todos. Na rodada final, de domingo à tarde, a saída será em grupos de três, com cada jogador enfrentando outros dois simultaneamente. O feminino, com três participantes, terá rodada única no domingo. Todos os golfistas foram convidados para o evento, seguindo a ordem dos rankings finais de 2021.

Participantes

No masculino, os participantes serão Fernando Silva, do Campinas Golf Center, número 1 de São Paulo e Top 10 do Brasil; Pedro Miyata, do São Fernando, quarto do ranking paulista; Rogério Cardoso, do Damha (6º), Alessandro Melle, do Damha (7º), Alessandro Fonseca, do Clube de Golfe de Campinas (9º), e João Bosseto, do Arujá (14º). No feminino jogam Marina Nonaka, número 1 de São Paulo e do Brasil; Gabriela Castro, do São Fernando, terceira do ranking paulista; e Samire Oliveira, do Arujá (6ª).

Vitórias valem três pontos; empates 1,5 ponto para cada. Serão premiados os três primeiros colocados por categoria. Em caso de empate, o desempate se dará primeiro pelo confronto direto e, depois, pelos “pontos pequenos”, o total de buracos ganhos na soma de todos os confrontos.

Outras Regras

Primeira modalidade usada na história do golfe, os jogos de Match Play, onde se joga contra um adversário, e não contra o campo, são considerados por muitos a forma mais emocionante de competição. O Match Play permite jogadas mais arriscadas, pois se joga para vencer o adversário em cada buraco, e não pelo total de tacadas da rodada. Muitas vezes é melhor arriscar tudo para sair de trás das árvores, por exemplo, com chances de vencer o buraco, do que jogar de lado para recolocar a bola em jogo e tentar salvar um par ou bogey.

As competições de Match Play também têm muitas regras específicas da modalidade. De modo geral, em todas as situações em que um jogador seria penalizado pela regra geral (duas tacadas) num jogo stroke play, a penalidade passa a ser a perda do buraco, no match play. Outra diferença são as tacadas concedidas. No stroke play “dar” aquele putt curto para o adversário é uma infração às Regras, embora muito comum nos jogos amistosos. Já no match play conceder um putt curto para o adversário, não só é permitido como é esperado pela etiqueta do jogo. E você não pode recusar e jogar a bola dada. Tem que levantá-la.

Competições

Ainda hoje, o Match Play é a modalidade adotada por alguns dos maiores eventos de golfe do mundo, como a Ryder Cup; a Presidents Cup; a Solheim Cup (feminina); o WGC-Match Play, um dos quatro campeonatos da série mundial; e a Copa Los Andes, o Sul-Americano de Golfe por Equipes, entre outros. As finais do Interclubes Paulista por Handicap Índex também são jogadas na modalidade Match Play. A Federação Paulista de Golfe tem patrocínio institucional da Honda e da Mazars.

Fonte: FPGolfe
Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um comentário