Home Notícias Thomas Choi conquista bicampeonato do Aberto Gocil Terras de São José

Thomas Choi conquista bicampeonato do Aberto Gocil Terras de São José

por Redação

Thomas Choi, do São Paulo GC, e Fernando Lacaz, do São Fernando, venceram de ponta a ponta o Aberto Gocil Terras de São José Golfe Clube 2019 – 17º Feminino e 38º Masculino, que terminou neste sábado, 19 de outubro, em Itu (SP). O torneio, que teve a categoria masculina scratch válida para o ranking da Federação Paulista de Golfe (FPG), foi encerrado com uma grande festa, que começou com open bar e petiscos no amplo deck em frente à sede e terminou com a entrega de prêmios e sorteios, junto com um show da banda Gambia Rock, para centenas de jogadores, familiares e convidados, no grande palco montado ao lado da raia do 18.

Repetindo a volta de abertura, Choi, o número 1 do ranking amador brasileiro, voltou a fazer dois duplos bogeys, desta vez em buracos de par 5, mas recuperou-se com cinco birdies, incluindo um no buraco 18, para ser campeão com 145 (72-73) tacadas, uma acima do par. Choi tornou-se assim o primeiro bicampeão do Aberto do Terras de São José em dez anos, repetindo o feito de Marcelo Muritiba (2008 e 2009). Antes deles, só houve dois bicampeões: Roberto Gomez (1996 e 1997) e Ricardo Rossi, o único tricampeão do Aberto (1983, 1984 e 1985) e recordista com quatro vitórias.

O troféu de vice-campeão foi para Hélio Meirelles, do São Fernando, que, apesar de bogeys nos dois buracos finais, igualou a melhor volta do dia para somar 151 (78-73) tacadas. Os jogadores do Terras de São José ficaram com as três colocações seguintes: Renato Araújo terminou em terceiro, com 153 (80-73), seguido por Marcelo Muritiba, com 154 (78-76) e por Patrick Rocha, com 159 (84-75).

Handicaps
Na classificação por handicap índex até 8,5, dobradinha do Terras de São José, com Renato campeão, com 147 (77-70), seguido por Marcelo, com 148 (75-73). Andre Rossi, do São Paulo, ficou em terceiro, com 149 (77-72). Na 8,6 a 14, mais um pódio da casa, com um tríplice empate decidido pelos critérios de melhores nove ou seis últimos buracos: Romiyoshi Sasaki foi o campeão, com 138 (70-68), seguido por Marco Antônio Oliveira (68-70) e Pedro Rocha (66-72).

Na 14,1 a 19,4, ganhou Francisco Maia, do Japi, com 140 (68-71) tacadas, seguido por Gustavo Taberner, do Terras de São José, com 140 (63-77), e por Rinaldo Pirro Jr., do São Paulo GC, com 142 (70-72), este ao superar Paulo Roberto Mondini, da Bahia, que também somou 142 (75-67) no desempate pelos últimos seis buracos net.

Mais premiados
Na 19,5 a 25,7, Andres Lobato, do Terras de São José, foi campeão com 138 (68-70) tacadas, ao superar Alan Wells, do São Fernando, que também somou 138 (69-69). O terceiro lugar ficou para Antônio Ramalho, do Águas da Serra, com 139 (69-70), superando seu companheiro de clube Bruno Vilarin que também marcou 139 (70-69). Ambas decisões foram pelos últimos nove buracos. E na 25,8 a 32,9, no sistema stableford, Allan Kildare, do Águas da Serra, venceu com 91 pontos, seguido por Ubirajara Amorim Filho, do Lago Azul, com 85, e Ricardo Barros, do Sapezal, com 83.

Houve ainda duas premiações por equipes, com taça para o clube campeão e medalhas para os jogadores. No Campeonato de Clubes Scratch, o Clube de Campo venceu representado por Riberto Gomez, Matteo Schmitt e Rodrigo Leme, com 289 tacadas (valem os dois melhores de cada dia). E no Campeonato de Clubes por Handicap Índex, vitória do Ibiúna, jogando com José Carlos Araújo, Alberto Azevedo e José Silva, que somaram 275 tacadas.

Feminino
Entre as mulheres, ninguém pode com Fernanda Lacaz, a número 1 do ranking nacional, campeã com 152 (79-73) tacadas. Letícia Mont Serrat, do Paulistano, foi a vice-campeã, com 177 (90-87). Na até 18, Aziza Elsheikh, do São Paulo, venceu com 151 (74-77) tacadas, seguida por Maria Montserrat, também do São Paulo, com 157 (80-77), e por Adriana Cabernite, do Terras de São José, com 158 (76-82). E na 18,1 a 32,9, no sistema stableford, venceu Angela Rappa, da Grama, com 72 pontos, seguida por Izabel Oliveira, com 71.

Thomas Choi conquista bicampeonato e Fernanda Lacaz vence no feminino | Foto: Thais Pastor/F2 Comunicação

Albatroz inédito
Quem roubou a cena na volta final foi Filipe Rossi, no São Paulo GC. Jogando no grupo final do Aberto Gocil do Terras de São José GC, ao lado de Thomas Choi e Hélio Meirelles, Filipe fez o primeiro albatroz de sua carreira e o primeiro registrado na história do clube, ao embocar com a segunda tacada no buraco 9, de par 5, batendo drive, seguido de ferro 4 das 256 jardas, um feito muito mais difícil e raro do que um hole-in-one. André Egoroff, presidente do clube, anunciou na premiação que mandará colocar uma placa alusiva ao feito no local de onde a segunda tacada foi dada, à esquerda da raia do 9.

Já a animação da volta final do Aberto ficou por conta da banda Gambia Rock, criada em 2017 por amigos de Indaiatuba (SP) que se conheciam há 15 anos e se uniram para compor. O grupo colocou todo mundo para cantar e dançar repetindo o sucesso que fez em mais de 100 shows em São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas e Sorocaba, dom direito a uma “canja” de Egoroff, que cantou junto com o grupo. A Gambia Rock estava composta por Filipe Maia no vocal, Anderson Lima no baixo e Tiago Angeli na bateria. O guitarrista Erik Hendges, filho de Paulo Hendges, que jogou no torneio, precisou ser substituído no show por causa de uma cirurgia de emergência para extrair o apêndice, mas passa bem.

Egoroff apresentou a premiação, que teve a mesa composta ainda por Rosaldo Malucelli; Álvaro Almeida; pela capitã Stella Bihar; por Washington Cinel, presidente da Gocil; Antônio Padula, presidente da FPG; e Ary Jorge Ribeiro, da Kia. Após a entrega de prêmios foram sorteados dezenas de valiosos brindes, oferecidos pelas empresas parceiras.

0 comentário

Posts relacionados

Deixe um comentário